Free songs
Vilhena, Rondônia, - E-Mail conesulnoticias@hotmail.com

Página inicial / Policial / Suspeito de mandar matar Chico Pernambuco será transferido para Porto Velho

Suspeito de mandar matar Chico Pernambuco será transferido para Porto Velho


Notícia publicada em 15 de agosto de 2018

 Katsumi Yuji Ikenohuchi Lema, que é primo do atual prefeito de Candeias do Jamari (RO) e principal suspeito de ser o mandante da morte do prefeito assassinado Chico Pernambuco, será transferido para Porto Velho.

Katsumi Ikenohuchi, que está preso na penitenciária de Guajará-Mirim, já teve a ordem de transferência emitida pelo Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO), segundo informou a assessoria do TJ-RO. A Secretaria de Justiça do Estado (Sejus) confirmou a transferência, mas, por questão de segurança, não divulgou a data nem o presídio para o qual o suspeito será encaminhado.

De acordo com a assessoria do TJ-RO, o julgamento de Katsumi Ikenohuchi está marcado para outubro, mas ainda sem dia específico.

Suspeito de mandar matar o prefeito Chico Pernambuco a tiros, em Candeias do Jamari, Katsumi Ikenohuchi estava foragido e conseguiu escapar de um julgamento devido recurso para não ser levado a júri popular. Ele foi preso pela Polícia Federal (PF) do Brasil com apoio da polícia boliviana.

Investigação

O prefeito Chico Pernambuco foi morto em março de 2017. Sete pessoas foram apontadas na investigação como suspeitas do crime. Para a Polícia Civil, a motivação da execução foi política.

Os três primeiros envolvidos no crime: Talisso Souza de Oliveira, Wellyson da Silva Vieira e Willian Costa Ferreira foram julgados e condenados em março de 2018.

Em junho deste ano ocorreu o segundo julgamento do caso. Marcos Ventura Brito, Henrique Ribeiro de Oliveira e Diego Nagata Conceição foram julgados no Tribunal do Júri. Os réus foram acusados de homicídio duplamente qualificado, por participarem da articulação do crime.

Henrique Ribeiro ficará 13 anos recluso e cinco meses detido. Inicialmente, todos os acusados ficarão presos em regime fechado. Marcos Ventura Brito e Diego Nagata Conceição foram condenados a 14 anos e seis meses de reclusão.

G1-RO

Comentários

Faça seu comentário

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos requeridos são marcados *

*

Ir para o topo